Ramblas

Gosto tanto de Barcelona, gosto tanto das Ramblas. Amo! Andei ali, por aquilo tudo, com o mp3 nos ouvidos, super descontraído, feliz. Várias viagens. Nada disso é justo. Barcelona vencerá, com a abertura de sempre, os radicalismos doentios do Daesh e da extrema-direita.

Leituras

A leva de livros não foi muito grande, mas foi a exata. Levei quatro livros e li três e meio. Todos muito bons: A Biblioteca, de Zoran Zivkovic; Pedro Paramo, de Juan Rulfo; Patagónia Express, de Luis Sepúlveda. Trouxe de volta sem ler completamente: As velas ardem até ao fim, de Sandor Marai.

BACB na CBL (pós sessão)

Faz uma semana (foi a 28 de junho).

A sessão foi deliciosa, aberta pelo Luís Raimundo, da Chiado Editora, seguindo-se as palavras do Carlos Vianna, da Casa do Brasil. O livro Bairro Alto Cidade Baixa foi apresentado pela Cecília Honório, historiadora, professora, escritora, ex-deputada e uma grande amiga. Transformou um conjunto importante de frases do livro numa bela intervenção. Também falei algumas coisas, com o cuidado de não retirar suspense ou revelar o final.

Muitos amigos e amigas, interessados, associados, família e os meus, claro. Foi tudo muito bom.

É isso, está lançado.

mais tolerância, mais respeito, mais aceitação, chega de ódio

“seu comentário está à espera de moderação” é uma expressão que com o passar do tempo passou a fazer muito sentido. no fundo, vemos aquelas caixas de comentários anónimos dos jornais invadindo o facebook. mas ainda pior, vemos pessoas que são capazes de usar a lógica do ódio e da intolerância, que antes estava confinada às tais caixas de comentários, ao seu próprio agir no relacionamento com os seus concidadãos, vizinhos. é de duvidar que o ódio possa levar a algum lugar, qualquer aglomerado de pessoas. acorde: não faça da sua vida uma caixa de comentários odiosos de um jornal.

[adenda]: talvez o título ficasse melhor com “menos ódio”, em termos de português. mas menos é pouco. é preciso acabar com o ódio, exterminá-lo.